quarta-feira, maio 10, 2006

Dilema de morte

Estás dentro do carro à beira de uma ravina com uma arma apontada à cabeça.
O amor da tua vida está pendurado numa árvore a morrer enforcado e o teu melhor amigo está amarrado atrás das rodas do carro. Dão-te a escolher: se fizeres marcha-atrás a pessoa que amas conseguirá apoiar os pés no capot do carro e viver, mas o teu amigo morre atropelado. Se nada fizeres salvas o teu amigo, mas aquele que amas morre enforcado. Que farias?

8 comentários:

negative creep disse...

não fazia nada, deixava o amor da minha vida morrer enforcada e depois fazia marcha atrás e atropelava o amigo

ou:

tirasse a arma que me estava a ser apontada a cabeça, mandasse um balazio no gajo que me tava a apontar a arma, saia do carro, libertava o amigo e voltava ao carro e fazia marcha atras e salvava o amor da minha vida.




sinceramente... não sei.

Nomyia disse...

Mas não está mal pensado. Queria ver se alguém conseguia arranjar uma forma imaginativa de sair desta embrulhada. *****

Racas disse...

Atão, eu fazia o óbvio! Gritava pelo Super-Homem para ele me vir ajudar.

Caso o Super Homem não existisse eu acho que avançava com o carro. Ou seja, atirava-me da falésia. Assim, eu e o meu amor morriamos, encontravamo-nos no Paraiso, eramos felizes para toda a eternidade, eu não tinha que viver com a culpa de ter morto um deles e o meu amigo ficava vivo e feliz da vida. Depois voltava para assombrar o bacano que me estava a apontar com a arma.

Alien David Sousa disse...

Esta para mim é fácil:
Com os meus poderes de raios retinais puxava até mim o Alien macho que amo. Depois, com um simples pensamento fazia com que a pistola desaparecesse e saía do carro para salvar o meu amigo.
bjs

Belzebu disse...

Mas que violência! Nem o belzebu consegue decidir! Será que o "peace and love" não passou por aqui?

ehehheehh! Saudações!

Besnico di Roma disse...

Tentava acordar, ia fazer xixi, voltava a adormecer mas ligava para outro canal.

Luisa Seabra disse...

como não conseguiria escolher entre um ou o outro, já não teria nada a perder e sem dúvida arrancava a pistola da mão de quem ma estava a apontar, arriscando-me a levar um balázio...mas antes levar um balázio q perder o meu amor ou o meu melhor amigo.
Depois, com a arma na mão, perguntava ao fulano q antes ma tinha apontado, como preferia morrer: se enforcado, se atropelado, se com um balázio nos olhos, o estupor.Isto deposi de ter os meus amores a salvo, claro!

Visi disse...

Bem...beliscava~me para acordar do pesadelo!!