segunda-feira, abril 24, 2006

Mitos Urbanos I

Uma vez que o plebiscito está a decorrer decidi ser generosa e dar-vos hoje uma amostra de um mito urbano. Aqui vai!
Roland Opus atirou-se do topo de um prédio residencial em Manhattan numa manhã de Junho de 1994.
O seu corpo ficou preso numa rede de segurança colocada no 8º andar para desencorajar saltadores. Nada mais natural que efectuar uma autópsia a uma pessoa que se atirou voluntariamente de um prédio. O resultado foi er... morte devido a ferida na cabeça causada por... disparo de uma caçadeira. Começou uma investigação policial.
Pouco depois do incidente a polícia recebeu uma chamada de uma vizinha do 15º andar que disse ter ouvido um disparo vir do apartamento ao lado. Ali vivia um casal idoso de feitio algo... írascivel. Acontece que o casal de velhinhos costumava discutir e o senhor ameaçava com alguma frequência a companheira com uma caçadeira.
Como o casal explicou as discussões não passavam de ameaças ocas e com a arma descarregada. À investigação também não ajudou o facto de o casal não parar de discutir sobre quem teria carregado a arma.
Afinal, durante uma das muitas discussões a arma disparou pólvora verdadeira e falhou a mulher do casal saindo pela janela e indo acertar Opus que nesse preciso momento saltava para a morte. Já um homem não se pode tentar matar em paz?(Já cá faltava a piada sem graça!) Mas qual a probabilidade disto acontecer?
Entretanto descobriu-se que Roland tinha sérios problemas financeiros e que apesar dos seus pais serem endinheirados não o auxiliavam. E quem eram os seus pais? Nada mais nada menos que o simpático casal do 15º andar. Ao que parece Roland tinha lá estado pela manhã e carregado a arma. Assim, quando irrompesse nova discussão o seu pai dispararia a arma como habitualmente matando a sua mãe. O pai iria para a cadeia e em breve o jovem Roland herdaria o dinheiro.
Contudo a sua propensão suicida foi mais forte e menos de uma hora depois atirou-se do prédio.
A sua causa de morte foi alvo de intenso debate mas decidiu-se por morte por acidente. Afinal, não foi isso que se passou?
Até hoje esta história não passou de ficção à espera de uma confirmação no mundo real.
Até lá... É mito.

7 comentários:

negative creep disse...

que puta de azar o gajo teve...

pedribeiro disse...

Até julguei estar a ler uma novela da TVI...

|unknown| disse...

Gostei da amostra, muito bom o texto... Que tal agora um 'cheirinho' de Factos Inúteis!? Só para a comparação... =P

Fica bem...
... e continua com os bons posts!

---

[?] unknown_89.blogspot.com

[?] unknownphotos.blogspot.com

---

Joana disse...

bastante mórbido...
quanto ao gajo só há uma coisa a dizer... saíu-lhe o tiro pela culatra... quer dizer, neste caso saíu-lhe o tiro pela cabeça... também tinha que contribuir com a piadinha sem graça...lol

Luisa Seabra disse...

Eu até acho q foi feito um CSI sobre esse mito..ou um filme, não me lembro! Só me lembro q vi isso na TV há bem pouco tempo!!!
é um caso para pensar nas probabilidades!

Alien David Sousa disse...

Gostei, sinceramente. Não gosto de banalizar as palavras.

Tu devias ler "Um grande Salto" do Nick Hornby.

Quanto ao mito. É óbvio que o gajo era mais fraco do que a vontade de morrer. Se ele realmente quisesse o dinheiro dos pais, não teria saltado certo?
A vontade de morrer era mais forte do que ele, assim, a causa da morte deveria ter sido simplesmente: suicídio salpicado por pólvora.

Racas disse...

Coitado. Ele se calhar até estava a pensar se ia saltar ou não. O rapaz nem se deve ter apercebido do que lhe aconteceu!

No final das contas, até foi bem pensado. Fosse ele uma pessoa diferente e aquilo até tinha resultado.
E é assim que se desperdiça um bom plano :p