domingo, fevereiro 12, 2006

Porquê?

Na mente dele é um dia normal. Na mente dela não. Na opinião dele não há nada a discutir: ela sabe. Na opinião dela ele sabe o que ela quer. Depois chega o dia e com ele a desilusão. Ela queria uma prenda e ele não lha deu. Ele pensava que tinham acordado implicitamente que aquele era um dia igual a todos os outros.
Ela:(...) Mas quem é que ele pensa que é? É o nosso dia! É CLARO que ele tinha de me dar uma prenda ou isso, ou fazermos algo especial. Eu mandei todos os sinais. Era tão obvio... Ele só podia saber. Óhhh! E se ele não gosta mais de mim? É isso não é? Agora percebo tudo! Sou tão parva. Como pude não ver? Ele dizia que estava ocupado e que queria ter mais noites com os amigos e eu sem nada perceber. Ele estava-me a querer dizer que já não gostava de mim e eu não o quis entender. Buuuáaaaaaa!!!!!
Ele: (...) Mas o que é que se passa com ela? Agora está amuada e não me diz o que é que a chateou. É suposto ser adivinho? Eu não lhe fiz nada. Tivemos um dia igual aos outros! Eu não entendo as mulheres!

Porque não falamos? Porque não dizemos aos outros o que queremos e o que não queremos? Porque é que temos, (pelos vistos), uma enorme dificuldade em comunicar? E com aqueles que supostamente serão os mais importantes na nossa vida?

5 comentários:

Spitfire disse...

Há tantas coisas que nos ocupam a cabeça, que às vezes... às vezes... acabamos por magoar quem mais amamos... e acabamos magoados de volta um dia mais tarde, quando os papéis se invertem...

Uma data... é apenas um dia... mas, esse dia não seria especial se não tivessem existido todos os outros dias antes desse dia, "a data".

Da mesma maneira... Há tantas coisas boas que se partilham, para quê concentrar tudo no mesmo dia?

Spitfire disse...

Acho que tou a ficar doente! Será que os corações têm penas? Com esta estória do dia dos (hmmm) namorados... devo estar a chocar alguma "gripe"!

Tinha que aparvalhar...

Nomyia disse...

Concordo contigo "uma data...é apenas um dia..." mas quis aproveitar a chegada iminente do dia dos namorados para reflectir sobre os "nossos" problemas de comunicação. Escolhi o dia, é verdade, mas o problema aqui presente facilmente se podia generalizar aos restantes 364 dias do ano.*****

Spitfire disse...

"...mas o problema aqui presente facilmente se podia generalizar aos restantes 364 dias do ano."

Isso... pois...
Assim tudo se torna mais complicado... eu não percebo de gestos, mas com palavras, ainda me desenrasco. Só te sei dizer que, não há nada pior do que perguntar a "alguém" o que se passa, e não obter uma resposta.

É comum dizer-se que os homens são limtados... e olha, sinceramente, acho que o são de certa forma. Quando um homem pergunta "o que é que se passa?" ou "o que é que tu tens?", esperam um resposta diferente do usual "não é nada"... e, para a maioria, se não é nada... não é nada mesmo, e esquecem... e a bola de neve vai crescendo.

Toma a iniciativa e desfaz a "bola" antes que seja demasiado tarde ;)

Força!

Mitsu disse...

bem se dissessemos td deixava de ter piada pk ás tantas deixava de haver surpresas...