sábado, junho 17, 2006

Depois de Morto

Porque não sabemos a hora da morte. Até quando estão os nossos dias contados. Só sabemos que queremos decidir o mais rápido possível o que hão-de fazer com o nosso corpo. Há duas opções: ou ir ter com os bichos ou acabar num monte de cinzas.
Ser enterrada nunca me agradou muito. Sei lá, a ideia de irem comprar um caixão e flores, preparar o funeral, vestirem-se de negro e ir chorar baba e ranho enquanto o caixão desce à cova, parece-me demasiado. E também não vejo a utilidade de ir alimentar os vermes quando já há demasiados cadáveres em decomposição. Uma lápide onde chorarem? Se me querem lembrar só têm de não se esquecer de mim... Ponham-me logo a etiqueta e atirem-me para o forno. Atirem as minhas cinzas ao vento, largem-nas sobre o mar, não interessa... É escusado guardar a urna. A não ser que a considerem um bom objecto decorativo! Façam o que quiserem. Se estiver morta não me irei queixar. Porque há-de este cadáver dar trabalho aos outros?

11 comentários:

poca disse...

é, a morte é a única certeza que temos... e o maior mistério...
em relação ao qeu fazer depois... não me importa...
acho que os funerais são para os qeu cá ficam...
eles que façam o que quiserem e forma a que se sintam bem... quem está morto não sente.. e viva não me debruço sobre isso...

mitsu disse...

Mas dps de morta inda podías ser útil...Bastava doares o teu corpo à ciência...Segundo consta a faculdade de medicina de Lx tem falta de cadáveres para os seus alunos...Eras capaz?

Nomyia disse...

Claro que era. Então não estou morta? Acho que não me fazia impressão alguma ;)
*****

Hizys disse...

epa nao sei...nao queria ser destruida assim... quero uma casinha para ficar la dentro, uma nova casinha onde ficar!

negative creep disse...

isto hoje... ja é o terceiro blog que vou hoje comentar a falar de assuntos que eu tenho pensado recentemente.


opah é complicado. eu percebo o teu ponto de vista e até concordo contigo. tb pensei em ser cremado. mas tu falaste na lápide com o teu nome como maneira de ser recordado. não é preciso pq como disseste basta nunca se esquecerem de ti. no entanto, eu pensei nisso e acho que gostava que houvesse uma lápide com o meu nome. se houvesse alguem a esquecer me isso lembra los ia. é uma boa maneira de recordar, eu acho. o que me chateia é ir a funerais (tive de ir a 2 nos ultimos 3 meses) e ver pessoas que mal conhecem ou ja nao vêm ha anos os falecidos e irem pra la chorar desalmadamente, ir so por curiosidade, ou por a conversa em dia com outras pessoas que nao viam tb ha anos mas que continuam vivas ou ainda só pq são amigos de um dos familiares do tipo que morreu e nem o gajo que morreu conheciam.

isso chateia me.

gostava que ao meu funeral fossem so pessoas qe eu gostasse mesmo. eu sei que ja estou morto mas nao sei se nao é possivel eu ver isso. não sei o que acontece depois de bater a bota. enfim... é complicado decidir

Cherry Blossom Girl disse...

Concordo contigo. Não quero de maneira nenhuma ser enterrada. Parece-me uma coisa demasiado sofrida. Acho que é um ritual que não faz muito sentido. Ser queimada também não é uma grande opção mas pronto...Bom mesmo seria se nos pudessemos esvanecer.

Belzebu disse...

Como dizem os Xutos eu quando morrer quero ir de burro!

Pouco me interessa de que forma, se a feder, bem vestidinho,ou em pó cinza e nada! Já agora pode ser ao som de uma musiquinha tipo um blues de B.B.King!

Se não der muito trabalho, claro!

eheheheh! Saudações!

gone disse...

Olha, eu vou doar o meu corpo à ciência... lol
Pode ser que assim, possa ajudar alguém!
Um beijinho!

Nomyia disse...

belzebu: se houver funeral, nada de blues para mim, eu quero "highway to hell" :D
*****

NaLua disse...

Olá Nomya,
O mistério da morte é uma coisa que me fascina tanto, que nem sei o que pensar...

Eu estou marimbando para o que me hão-de fazer quando eu "bater a bota". Mas podem sempre fazer-me o que o Mário de Sá- Carneiro sugeriu.

Aqui vai:

Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!

Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza...
A um morto nada se recusa,
Eu quero por força ir de burro.

Alien David Sousa disse...

E se vens do além toda chateada porque não gostaste da cerimónia?
GHOSTS. Não gosto.