segunda-feira, fevereiro 02, 2009

Sou toda a favor de:



Se terem filhinhos e de se procurar a felicidade, mas ISTO é ridículo! Altamente irresponsável. E não me venham com a treta de ser uma cultura diferente, de ser pobrezinha e por isso, não poder adquirir a camisinha ou a pílula ou da menina ser ignorante.

14 comentários:

KILGORE disse...

Isto é a chamada "Teoria do Coitadinho"!

Ana Cristina disse...

Ñ, Rita... N é ignorância! É "inocência"... Cm a "inocência" da otra... Q n foi inocente pa fzr o puto, mas foi pa saber q tava grávida! A "inocência" era tanta... Q quase só descobria qd tivexe o puto! Loool

*Jinhos*

Jp disse...

Com 17 anos e já tem 7 filhos...Mas que gente com tanto ar no cérebro, para não dizer outra palavra...

marta disse...

Não resisti a ler alguns dos comentários!

É fantástica a quantidade de alarvidades que as pessoas dizem escondidas por detrás da máscara do "Anónimo".
É que nem tomatinhos têm para assumir as suas "opiniões".
Tendo em conta que a miúda tem 17 anos e ganhou aquela prole com 3 gravidezes... podemos dizer que não tem uma vida sexual muito diferente da maioria das adolescentes. Teve foi azar. Não me parece que tenha facilidade em encontrar por ali uma farmácia com máquina de preservativos por perto.

E quem sabe se um daqueles patuscos não chega a ser Presidente da Argentina!

Nomyia disse...

Marta: Não concordo. Em pimeiro lugar, a primeira gravidez foi aos 14 anos, (sabe-se lá quando começou)) com essa idade devia era a andar a brincar com bonecos.
Azar? Marta a jovem engravidou três vezes. Foi três vezes acidente? E eu concordo com a mãe da jovem que quer fazer o laqueamento das trompas. Não pode controlar ´o que é que a filha faz e as consequências incluem estes 7 filhos que não têm culpa da total irresponsabilidade da mãe. A 'menina' não trabalha, é sustentada pela mãe e está a viver com os filhos na sala de jantar. A mãe deve sacrificar-se para a 'menina' continuar a fazer o que faz, aparentemente sem qualquer tino?
Quanto a não haver uma farmácia, nisso até concordo, mas costuma-se dizer que quem não pode não tem...
*****

john disse...

Pronto, sabe-se que a moça é mais fértil que as planícies entre o Tigre e o Eufrates. Nada de mais. E aquela notícia do outro dia sobre uma mulher que deu à luz oito gémeos (sim, oito), aparentemente por reprodução induzida? Note-se que a tal senhora já tinha seis filhos, o que dá a bonita quantia de 14.

Junta estes sete e dá 21. Gosto de saber que há por aí almas caridosas a trabalhar para que eu não tenha de cumprir a minha parte no índice de renovação de gerações :)

john disse...

Mas fora de brincadeiras: todas as "tretas" que apresentaste - cultura diferente, pobreza, impossibilidade em adquirir preservativos ou pílulas, ou ignorância - são desculpas normalmente consideradas válidas. Talvez não para nós, que, "Fripórs" à parte, vivemos num país de primeiro mundo, temos educação superior e ainda não temos uma vida insuportável. Mas tens sítios em Portugal - e nem tão longe de Lisboa quanto isso - onde a realidade é um bocadinho diferente.

De facto, na história que deixaste aqui, há uma grande dose de irresponsabilidade. E agora, faz-se o quê?

lothlorien disse...

Sabes o que digo? Quem não tem dinheiro, não tem vícios. Neste caso, uma vida sexual activa. Não tem juízo? (nem ela, nem aqueles com quem se deita) Então que esteja quietinha. Por muito inocente que a moça seja, dps de 3 gravidezes já percebeu concerteza ao ligação causal entre sexo e bebé.

Lu.a disse...

Concordo com cada virgula do teu pequeno post!

Nomyia disse...

Casa arrombada trancas à porta. Faz-se o quê? Já disse lá em cima, tenho pena que a mãe não possa levar à sua avante. Esta menina não deveria procriar mais. Se a menina for impedida de ter filhos, ao menos quando tiver relações sexuais, não vêm mais brindes atrás. Tenho pena destas crianças. Se uma seria criada com dificuldades, então que dizer de sete. O governo poderia perfeitamente atribuir um bom susidio para criar a pequenada já que a jovem contribui grandemente para a natalidade. Isto sem pensar que poderia ter o apoio em casa de mais umas duas pessoas da área da assistência social (nem que sejam voluntárias), para ajudar com as crianças para a 'menina' tirar o cu da cama e ir trabalhar!
Quanto à mulher que teve agora 8 filhos, tanto quanto percebi é meio apanhada. Vergonha para os médicos que apercebendo-se disto continuaram com os tratamentos para ganhar dinheiro.
*****

marta disse...

Cá em Portugal, com farmácias em cada esquina, pílulas à borla nos centros de saúde, transmição de informação, morangos com açúcar que abordam estes casos e afins, continuam a surgir situações de adolescentes grávidas. Será que ainda vivem na ilusão de "na primeira vez não se engravida"?.

Além de que há a pílula do dia seguinte e o aborto legal até às 10 semanas.

"Bem vistas as coisas" - pensará o Português comum - "para quê a prevenção?"

(Sim, acreditem, há pessoas que não se preocupam com a prevenção porquêm têm uma amiga ou conhecida no Hospital que até lhe "arranja" a pílula do dia seguinte.)

Nomyia disse...

Pois Marta. Infelizmente tens razão. Infelizmente conheço demasiados casos de gravidez na adolescência e de utilização da pílula do dia seguinte como prática recorrente. Esquecem-se também que esta pílula faz muito mal à saúde pelo que deveria ser usada com o maior cuidado...
*****

Leandro de Sousa Bastos disse...

Bom, 1,2,3,4,5,6,7... Conta-se ali sete! Notoriamente a rapariga está a preparar uma equipa de futebol! Não vejo outra possibilidade!

Fora de brincadeiras... é simplesmente mau isto!

Alien David Sousa disse...

Bem nomya, se aos 17 anos já tem 7 filhos vai com toda a certeza bater um record qualquer quando chegar aos 30. Agora a sério, é triste,porque estas crianças não pediram para vir ao mundo, não pediram para viverem em condições que não são nada recomendáveis. É triste.
*****